Sunday, August 21, 2011

Veneno


Ando cansada dessa solidão, ela tem me tomando de tempos em tempos rasgando os sentimentos, mesclado sangue ao mel que a vida tem dado. Cansada de ter que conviver com ela. Exausta de sua escravidão.

Quero a liberdade da solidão confortante. Aquela que vivo quando ninguém está comigo. Desejo o tempo de meditar, sonhar e viver só, mas não em companhia dessa solidão que vem quando estou com outros.

Nada mais confuso para a mente do que sentir-se só na felicidade. Minha natureza questionadora fica entediada com a falta de respostas que essa tristeza mesclada a solidão traz.

Vivo intensamente cada minuto, como se o tempo acabasse agora, neste exato momento e o fogo se extinguisse insensatamente. No entanto, mesmo com essa sofreguidão de viver, a solidão me assola e vai corroendo o sentimento de bem estar, enroscando em minhas dúvidas, incitando medos, confundindo e prostituindo um sentimento como o amor.

Por que isso acontece? Onde erro ao permitir que essa insidiosa sensação invada um corpo que está saudável, confiante, feliz. Qual o exato momento em que tal veneno começa a circular contaminando cada órgão e apagando a luz do meu olhar?

Meu olhar, que você tanto admira, e que tem se tornado vazio dia após dia. Como se toda a energia se esvaísse ou fosse tranformada por essa dúvida, incerteza, medo, enfim solidão.

Que tipo de pessoa sou que acredita tão fortemente no amor, mas não consegue acreditar no ato de ser amada? O que me deixou assim, insensível a possibilidade do amor de outro? O que me levou a esta estrada onde sempre dou e nunca me abro a receber?


São lágrimas que escorrrem agora. Não em meu rosto, sequer são transparentes. As lágrimas escorrem em meu coração, mente e alma. Vermelhas do sangue que flui de cada cicatriz que nunca se fechou. Incitadas pela solidão que se alojou devido a proximidade do adeus.

E a pergunta final, que bate na mente e ecoa em todo o corpo: como viver sem você?

Se mesmo quando estou a seu lado, a possibilidade do adeus faz com que me entregue a mórbida sensação da solidão, como será quando a realidade de nunca mais estar com você se impor? Temo o que meu corpo pode fazer com minha alma e mente. Ou deveria temer o que minha mente pode fazer com minha alma e corpo?

Não sei, preciso voltar a viver um dia de cada vez, como se aquele segundo fosse o último, e deixar de sonhar com um futuro que não posso ter, pois você que seria a parte mais brilhante dele, não acredita na possibilidade e me deixa só no sonho, na vida e no amor.

8 comments:

  1. A solidão precisa ser compartida, para que, do veneno se extraia seu antidoto. Há o tempo de semear e o de colher; há o tempo de agregar e o tempo de recolher. Recolher para meditar os frutos da vida gregária. Mas todo o tempo há que estar regrado de AMOR.
    Linda prosa, minha queria amiga.
    Abraços.
    Zé Américo

    ReplyDelete
  2. Volta e meia o amor faz isso com a gente, né?! É tão grande, tão grande, que dói... Tão intenso e absoluto que deixa um vazio... e, por ora, não deixa a gente enxergar o "para sempre" que já está acontecendo... dia após dia. Juntos, "separados", juntos outra vez... e nesse vai e vem, o sentimento vai tomando uma dimensão sem volta...

    Vejo o amor assim... bem "personalizado". Cada um a seu modo e do jeito que tem de ser. Não vejo o amor como algo "finalizado". Tipo viveram felizes e pronto... É cada dia. Em cada encontro... em cada saudade. Em cada volta.

    Isso pra mim é o "viveram felizes para sempre".

    Texto lindo demais esse....

    Rafaella Nolasco

    ReplyDelete
  3. Somente mentes brilhantes conseguem ver o que você vê, a solidão em meio a uma multidão. Eu te admiro pela elegância das palavras, mas sobretudo pela elegância com que você nos mostra a verdade. Somos solitários? Sim, claro que somos... Mas feliz daquele que vez ou outra dá uma fugidinha dessa solidão.
    Te admiro,
    Théo Iemma

    ReplyDelete
  4. Tudo tem seu tempo.. Eu sei que você sabe disso... Mas seu texto é lindo. Cheio de verdade e de muita emoção. Parabéns. Adorei.
    Savio Machado

    ReplyDelete
  5. Achei lindo..
    A solidão nos corta completamente..
    Mas ressurgimos das cinzas e reaprendemos a voar.

    Parabéns querida.
    @leiladarolt

    ReplyDelete
  6. Boa noite amiga, permita-me...
    Parabéns pelo belo trabalho... Penso que a maior solidão é a compartilhado com alguém sem sentimento, cujo desejo é apenas a satisfação mercenária do sexo... cessada a fome todo alimento é igual e o gosto vira gula. Obrigado pela doação, seja feliz!

    ReplyDelete
  7. Lindo texto. Mas a solidão e a felicidade podem caminhar juntas. Depende de quem está vivendo. O ser humano jamais se sentirá sempre acompanhado ou continuamente sozinho. Às vezes estamos amando, acompanhado e sentido-nos solitário. O contrário pode ocorrer também. Fiquei contente em lê-la Heleny. Um abraço.

    ReplyDelete
  8. Faz tempo que não assisto aos episódios da sua vida, não é, querida amiga? Me perdoe!
    Sabe, essa palavra "Veneno" me chamou muito a atenção. Dizem que religião, política e futebol são temas que nunca se deve discutir mas, eu acredito que o Amor também se encaixa nessa questão. Não posso julgar ou tentar explicar esse amor que te incendeia,te faz viver, sentir-se completa e, ao mesmo tempo, te faz chorar, sangrar e sentir-se só.
    Só te digo uma coisa: O medo é um veneno que age de maneira silenciosa, ele faz com que a nossa mente planeje situações que em sabemos se acontecerão, ele blinda o nosso coração de sentir e impede os nossos olhos de enxergarem a realidade. Não tenha medo, não deixe sua mente projetar coisas que muitas vezes não passam de vãs hipóteses. Apenas viva, como você sempre fez!
    Seni Seviyorum!

    ReplyDelete