Thursday, August 4, 2011

Ser turco


Para alguns, ser turco é ser descendente dos otomanos. Suas tradições, religião e modo de encarar a vida. Para outros é ser oprimido, impedido de exercer sua verdadeira ancestralidade. Como que preso entre um algo que não conhece e outro que não pode ser. Finalmente, existem aqueles que crêem que ser turco é ser tudo. Desde o começo, da primeira civilização que começou a florescer aqui, passando por hititas, gregos, armenios, curdos, turks, e muitas outras que cresceram, conquistaram e por fim foram substituídas por outras.

Ser turco, é acreditar na coexistência pacifica entre as diferenças. Sejam elas de idoma, credo ou mesmo posição poítica. Ser turco é, antes de mais nada ser iluminado pela capacidade de transpor o preconceito e através do diálogo, não das armas, encontrar equilíbrio dinâmico entre tantos que amam a Anatolia.

Ser turco é responder ao chamado para a prece 5 vezes ao dia ou ir a igreja e orar a Jesus. Ser turco é falar turco, armenio, curdo, grego, tantas linguas quanto existirem no mundo, pois ser turco é fazer parte desse mundo.

Ser turco é acreditar que a educação pode mudar o modo como todos se exergam. Perseverar na tentativa de dissuadir aqueles que acreditam que podem dividir, separar, quebrar ao meio. Ser turco é acreditar em Deus, não importa qual, e respeitar o próximo como criação divina.

Ser turco é doutorar-se ou trabalhar na lavoura. Movimentar um rio e revolver o subsolo na tentativa de desenvolver áreas desérticas, transformando-as em produtores de vida: alimento. Ser turco é cantar para alegrar as pessoas ou fazê-las pensar. Escrever sobre muitas coisas: simples, complexas, reais ou ficção.

Ser turco é escolher como vestir-se com hijab, burca ou até mesmo sem nada disso. É admirar o que o passado tem de bom e reconhecer no presente os erros cometidos e tentar não repetí-los. Mudando porque mudar faz parte da vida.

Ser turco é ter uma bandeira em casa. Vibrar quando a vê tremulando em todo o lugar. Aceitar a Lua Crescente, a Estrela e o vermelho como simbolo de seu espaço, de seu lar.

Ser turco é gostar de futebol, okay, çay, Köfte e baklava. Discutir política em um Kahve com os amigos. Fazer pequenique com a família ou simplesmente sentar na frente da tv e curitr uma novela ou o noticiário.

Ser turco é fazer parte de tudo. Abominar a morte desnecessária. Não compreender aqueles que desejam destruir pela força, pelo mal.

Ser turco é ser humano. Bebê que nasce todos os dias, como em qualquer lugar. Crianca brincando no parque, indo para a escola e acima de tudo sonhando com possibilidades no futuro.

Ser turco é contribuir com o mundo. Ser turco é ser como eu e você, apenas com uma bandeira diferente, em um espaço diferente.

2 comments:

  1. Agora me diga, é possível não se apaixonar pela Turquia??? Claro que não.

    Acho, aliás, tenho certeza que carrega essa "universalidade turca" na sua própria personalidade... na sua forma livre e apaixonada de perceber o mundo e falar/escrever sobre ele.

    Lindo texto, amiga!!!
    Rafaella Nolasco

    ReplyDelete
  2. Me emocionei! Morei na Turquia durante um ano, e é,eu acho que sou turca!

    ReplyDelete