Tuesday, April 19, 2011

Dor


São lágrimas que tenho nos olhos. Lágrimas de um tipo de tristeza que não tem cura. Dor que não diminui nem enfraquece. Apenas dói, dói. Como um martelo batendo constantemente em minha mão. Da mesma forma que a faca entra em meu corpo, cada vez mais fundo. É dor ardida, dolorida, infinita

Doí do amanhecer ao amanhecer. Não passa nunca. Aumenta quando leio o jornal, assisto a televisão ou ouço alguém falar de forma incompreensivelmente preconceituosa.

A dor aumenta quando amigos se tornam inimigos. Quando Deus se torna motivo de ódio, quando os loucos servem-se de desculpas para destruir a fé e a esperança.

Têm dias que a dor é tanta que desejo me encolher em um canto. Ficar em silêncio, afastada do mundo. Até mesmo de mim. Como que suspensa num lugar onde não exista tanto ódio, tantas desculpas, tanto preconceito.

Outro dias a dor dá energia. Energia para tentar fazer entender. Energia para procurar espalhar por ai a ideia de que precisamos mudar, pensar melhor, libertar a mente e alma. Ouvir e entender, não seguir, mas perseguir.

A dor vem depressa é reflexo de outro sentimento. Reflexo do amor que sinto por todos. Amor que importa e quer construir. Amor que tenta, com a ferramenta que possui, transmitir esperança, luz e talvez algum ensinamento.

Mas a dor persiste. Nas pessoas que se fecham em dogmas. Certezas baseada em estórias. Esquecendo do passado, ou pior, o justificando no presente. São essa pessoas que mais me fazem sofrer. Que transformam a dor em algo quase insuportável.

Delas sai o veneno do ódio. Instilam uns nos outros o sentimento da inadequação de algumas criaturas. Como se fossem deuses com direito de decidir. Fazem revolução baseados no preconceito. Discursos vazios de conteúdo, mas repletos de incitações às diferenças.

A dor cresce, tem crescido tanto que algumas vezes esmoreço e pergunto: para que? Por quê?

Valeria a pena enfrentar isso tudo? Seria sensato crer que tenho algum poder para modificar isso? Quanto com minha ingenuidade e simplicidade posso alterar dessa realidade onde apenas dinheiro, poder contam? Disputa que tem sido escondia atrás de outras. Manipulada pelos sentimentos de fé que a humanidade tem.

Temo que essa dor nunca diminua, não acredito que tenha fim, mas minha esperança  em que pelo menos se torne tolerável está perto do fim. A cada um que esbarro repleto de sentimentos distorcidos de fé. A cada um que conheço destilando palavras de preconceito, a esperança de que algo se modifique diminui.

Somos humanos. Descendemos de um mesmo ser primordial. O que está impresso em nós é a herança e a lembrança de nosso passado, assim como a esperança de nosso futuro. As pequenas diferenças que nos tornam úncos, são apenas enfeites. Embelezamento da criação.

Somos como a vida, complexos e simples. Belos. Únicos. Finitos e infinitos. Por que não podemos simplesmente olhar para o passado de modo crítico e ver o presente com esse mesmo olhar? O futuro precisa ser diferente, mas qual seria essa diferença?

Cansei de tanta dor. Tenho me escondido do mundo, mas ela sempre me alcança. Amanhã é outro dia. Um novo nascer de sol. Novo caminho que se abre para mentes que não se prendem apenas a terra, mas também voam pelos céus.

Quero muito reencontrar minha humanidade. Sonho em ter a meu lado todos independente da forma. cor, tamanho, crença. Quero voltar e completar o que não consegui até agora. Fazer todos compreenderem que o mundo é nosso, as ações são nossas.

Quero voltar a ter luz.

6 comments:

  1. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  2. Pelo jeito hoje é dia de eu chorar.. chorar por causa da gripe, chorar pela sua postagem do dia do amigo e agora chorar ao ler essas palavras que foram escritas por você,mas como se você tivesse tirado cada uma delas de dentro do meu coração.
    Nós não podemos mudar o mundo dos outros,mas podemos fazer com que o nosso mundo particular reflita naqueles que estão ao nosso redor.Nós nunca sabemos para quem estamos servindo de espelho mas esse alguém existe e aprende com as nossas atitudes, gestos e palavras dia após dia.

    ReplyDelete
  3. Querida Heleny!
    Compreendo sua dor, às vezes me sinto da mesma maneira... tanta coisa né?
    Violência, preconceito, etc...

    Há em nossa sociedade uma inversão de valores tão grande que só podia dar no que deu.
    As pessoas correm, atropelam-se para cuidar dos outros e abandonam sua própria alma.

    É por isso que a violência e crueldade andam soltas pelo mundo!

    Adorei cada palavra, me emocionei!
    E saiba que, mesmo sem conhecê-la pessoalmente, cada dia que passa eu a amo, já a considero uma grande amiga!

    Acredito que a pessoas precisam disso: "amor"

    Beijos linda!

    ReplyDelete
  4. Realmente disse tudo... a situação está cada vez pior. E ainda mais grave que isso é a indiferença das pessoas ao que está acontecendo. Por conta da sua sensibilidade crítica e desejo de fazer a diferença, Leny, você percebe e sofre diante do que a maioria das pessoas apenas ignora, fingindo com isso ficar alheia ao problema. Embora doa (e muito) são atitudes de pessoas como você, com grande poder de influenciar por meio do conhecimento, que tornam essa "homogeneidade" mais perceptível e, por outro lado, as "diferenças" infinitamente mais enriquecedoras. Fazendo até com que seja mais fácil buscar a luz que existe dentro de nós... aquela que o Criador colocou quando nos fez e que direta ou indiretamente é o que nos move e nos faz desejar um mundo melhor.

    ReplyDelete
  5. Eu ainda creio que isso algum dia possa mudar...mas por enquanto dói muito mesmo.
    Como sempre,lindo texto querida :)

    ReplyDelete
  6. Hey...
    Vc escreveu isso pra mim? Como pode?
    Mon Dieu!
    Sentimentos e Emoções, tudo que vivo nos momentos mais felizes parecem não suprir a dor que me rasga o peito, que corta minha mente, dilacerando meus pensamentos...( Eita fui longe muito longe )
    Lindo Lindo Lindo

    ReplyDelete