Friday, March 11, 2011

Escolha...



Olhei o caminho, parecia que entrava em um conto de fadas. De repente a mulher deixava de existir para dar lugar a criança que estava guardada, protegida.
Os olhos, de um tom castanho doce, se abriram e absorveram toda a magia do local. No fundo branco pintado de verde, aqueles olhos pareciam um sorvedouro.
Mil sonhos foram sonahdos ali. Desejos infinitos desejados. Nada era impossível, pois a criança mantinha sua fé intacta. E seus pés a levaram para dentro da floresta branca, a beira do lago de águas frias e espelhadas.
Frio, um frio inexplicavelmente agradável. Sons esparsos de animais, do vento e a voz. A música e a voz chegavam ao mesmo tempo a seus ouvidos. Um fauno? Centauro? Talvez um menestrel ali passasse. Alguém repleto de energia resplandecente.
E a menina parou. Bem perto da água. O vento beijava seu rosto com sofreguidão, o frio a abraçava e a voz embalava os sentidos que não podiam mais ser alcançados.
Mulher-menina mergulha e descobre-se possuída, e a desejar essa posse, de corpo e alma.
Deseja entregar-se ao vento e a música, ao homem e ao menestrel. Dando e recebendo energia perfeita de vida.
Silêncio. A mulher controla a menina. Olha em volta e descobre-se só. Uma solidão diferente, pois logo ali ao alcance da mão o homem a espera. Seu homem. Alguém para quem entregou seu corpo, alma, sentimento e mente.
Homem singular. Contraditório. Simples e complexo. Fraco e forte. Antíteses de sentimentos, emoções e prazeres. Homem que ela escolheu para amar.



3 comments:

  1. muito lindo, sensibilidade e emoção à tona. O sonho é da menina, o desejo, da mulher. Sonho ante a beleza única desse maravilhoso lugar. Desejo de realizar o amor.
    Este está mais conforme com sua situação, poeta. Menina moça mulher. vida, só vida.

    abraços.

    ReplyDelete
  2. Que paisagem maravilhosa e inspiradora!
    Onde é?

    ReplyDelete