Thursday, January 27, 2011

Montanhas


Por que ao olhar as montanhas lembro de você? Não, você não mora nelas, mora na beira do mar, perto do porto. Não são falcões, gatos do mato ou cabritos monteses que posso ver de sua janela, mas gaivotas e mastro de navios. Não, não é por ser você originário das montanhas da Anatólia, nem por saber que as aprecia. Lembro de você quando vejo montanhas, pelas curvas, reentrâncias e dificuldade de alcançá-las.

Chegar ao topo de uma montanha, por menor que seja, requer esforço. É preciso preparação, coordenação e acima de tudo espírito centrado no objetivo traçado. Os obstáculos são imensos, escondidos, aguardando o próximo passo, onde a queda pode ser banal ou terminar no nada, perto do fim.

Você é assim.

Não consigo alcançá-lo. Por mais que me prepare para o pior, por mais que tente entender e aceitar, cada passo é uma surpesa que me leva ao chão e algumas vezes me faz desejar pular no abismo.

Como pode uma pessoa ser tão insondável, repleta de níveis e desníveis que quando penso estar a superar me assusta com um olhar incompreensível, palavras duplamente sentidas, gestos impossíveis.

Hoje, a beira do mar, no alto da montanha, perto do templo de Atenas quase desisti. Fiquei ali pensando como seria soltar o corpo no espaço e esquecer de tudo. Voltar aos braços de meu pai e ficar ali, repousando sem ter que enfrentar os obstáculos que tem sido escalar esta montanha.

Parei, olhei em seus olhos e vi neles refletidos um pouco da esperança que tenho de que a montanha que estou a escalar me aceitará e acolherá. Ontem disse que está aqui para me proteger, que não estou sozinha mesmo que esteja longe. 

Hoje me abandonou, como que desejando que eu salte e desista. Não sei o que fazer. Não consigo decidir, pois o amor que tenho por você é maior do que minha mente pode suportar, a lógica se perde, o único desejo é estar e ser com você.

Tem sido assim, dia após dia, essa busca pelo caminho mais eficiente, por aquilo que desejo e sei, pode ser meu. Nunca desisto. Mesmo que o fim seja pular no abismo.

4 comments:

  1. Todos temos momentos de indecisões e desespero. Faz parte desta arte chamada "viver"...
    Eu nunca desisti porque sou "birrenta". Quanto maior o obstáculo, mais força eu encontro...
    Espero que você consiga dar um nó nos obstáculos e mostrar quem é mais forte!!!
    bjussssssssssssss

    ReplyDelete
  2. os sonhos de tanto desejar se tornarem realidade acabam virando pesadelos. se voce teve a coragem de viver uma fantasia, tenha o dobro para retomar a sua realidade. se cuide!

    ReplyDelete
  3. Olá,

    Encontrei seu site num blog, na página de autores parceiros.
    Eu estava interessada em saber se você aceita enviar-me alguma(s) de suas obras literárias (autografadas, caso seja possível) para que eu possa ler e resenhar ela em meu blog (primeiro-livro.com) e sorteá-la depois, caso você deixe.
    Peço-lhe, por favor, que caso aceite, responda-me mais breve possível por este mesmo e-mail.
    Se for de seu interesse talvez depois, também possamos disponibilizar em meu blog, uma entrevista que farei com você.
    Aguardo ansiosamente pelo se retorno.
    Abraços,

    ReplyDelete
  4. O amor e o abismo causam vertigens. Mas também propciam o imenso prazer da vastidão infinita.
    Abraços.

    ReplyDelete