Friday, December 3, 2010

Sentir


Sinto como se eu fosse um aparato qualquer que acumula energia e de repente precisa produzir algo com ela. É através das palavras que faço isso. São elas que ecoam o que está em mim. Através de símbolos simples, letras, em combinações estéticas e gramaticais que tento, nem sempre consigo, dizer sobre meu sentir, ser e pensar.

Falo dos sonhos que tenho. Alguns tão surpreendentemente incompreensíveis, outros tão claros e reais. Explico em frase curtas, o que minha alma carrega em cores tumultuadas. Dıgo sobre sentimentos, curvos ou lineares, correndo de um tom a outro, como o pintor que escolhe a tinta que expressa melhor sua visão do amanhecer.

Algumas vezes desejo ser capaz de escrever poesia. Daquelas fluidas, tocantes e tocadas. Poesia concreta ou imaginada. Não sou asssim. Escrevo prosa, prosa sobre sentir, ser e existir.

E esta de hoje, quer falar de como a prosa de alguém tem me tocado. Tocado em lugares que mortos pareciam, provocado esperança onde só tristeza existia. Esse alguém, que em suas falas diz que prefere o silêncio. Ouve mais e se faz presente através desse mesmo silêncio.

Sua prosa é simples. Fala do trabalho, do clima e das coisas que gosta, e é no ouvir que sua força se mostra. Ele me dá espaço, permite meu dizer, e quando me preocupo, digo que falo demais, ele responde: “prefiro ouvir você.”

Cada pequena frase que diz, seja sobre a saudade que sente. Vem carregada de energia que me preenche como o rio preenche o mar. São frases quase pueris: “Amo você menina, cuide-se por mim”, “Não quer vir se deitar a meu lado?”,Sente-se em uma poltorna, levante os pés, feche os olhos e pense em mim.”.

Assim, vai, de frase em frase me tocando, colocando esperança no ceticismo, acrescentando sentimento na frieza. Ontem falei a ele sobre a saudade estranha que senti. Dos momentos em que sai de mim e só ele parecia existir. E a resposta foi curiosa: “Ah!, Bem que percebi, enquanto trabalhava, você bem ali.” Eu sorri, sem saber o que dizer. Sem entender se aquilo era real ou apenas um pretender. Silenciei para não deixar perceber o que aquilo provocara.

Um desejo meu o surpreendeu e ele teve que contar outra história que lhe doeu. Enquanto contava, chorei, chorei porque queria fazer algo para ajudar, dar a ele a solução, mas sabia que não iria aceitar. Assim, fiquei em silêncio, silêncio cheio de tristeza, silêncio que me levou a especular como resolver. E enquanto pensava, traçava minha estratégia, ele disse: “vamos dar um jeito de você fazer isso pessoalmente.” Surpresa, sempre imaginei que seria escondida. Disfarçada em algo que não sou, mas conveniente para ele.

Então falamos de mais, de nós e de quem nos cerca. Dos medos que aqueles que amamos enfrentam. Dificuldades causadas por não se sabe bem o que. Ele falou muito mais que o esperado e no final, quase afogado pelo que contou disse: “desculpe menina, não queria aborrecer você.” Ele ainda não compreende, que mesmo que nada diga, percebo em cada letra, o sofrimento que abriga.

E não me importa o que pretende fazer, se deseja ficar ou ir. Apenas quero viver e  estar com ele enquanto me desejar assim. Cresci e aprendi que para amar é preciso não se preocupar em partir. O transcender daqui para ali, o viver e não saber é melhor do que o não sentir.

5 comments:

  1. Lindo!
    A sensibilidade que aflora...

    ReplyDelete
  2. Eu prefiro ler você, em verso e prosa. Você é um poema que fala... Te admiro mais a cada palavra que escreves.
    Théo Iemma

    ReplyDelete
  3. Querida Heleny,

    É sempre uma alegria passar por aqui e comprovar, por diversas vezes seguidas, o seu talento na escrita!

    Que bom que você sente e se sente com profundidade... isso é raro hoje em dia!

    Mais raro ainda é termos pessoas que reconhecem o nosso sentir!

    Lindo, lindo!!

    Beijos, sou fã!

    ReplyDelete
  4. VocÇe escreve com uma autenticidade! Impossível não ler. Abraços.
    Marcelo Moreira Marques.

    ReplyDelete
  5. "Viver e não saber é melhor do que o não sentir."
    Era tudo que eu precisava ler hoje minha querida amiga, obrigada...obrigada...obrigada!
    Bejos!
    Lana Nanni

    ReplyDelete