Friday, November 26, 2010

Sob o sol da Toscana




Você deita na cama, está cansado.  O dia foi repleto de atividades, apresentações,  é sempre assim: correr de um lado para o outro, sem sequer ter tempo para pensar. Agora, em casa, você procura seu lugar favorito: o quarto. Deita na cama macia, a colcha branca que a cobre refresca sua pele. Começa a relaxar, sentir o perfume do lar. Fecha os olhos.

Olhos fechados, esse ato parece expandir seu sentir, pois assim deitado, esparramado, é o perfume dela que começa a sentir. Seus olhos se abrem abruptamente:  “Será?” Você questiona. Seria possível que de algum lugar ela tivesse surgido?

Olha a penumbra do quarto, a cortina em sua dança sensual, o perfume inebriante que tanto conhece e deseja sentir novamente, apropria-se. Um vulto se aproxima, o caminhar o faz pensar que flutua, está envolto em névoa, tudo é estranho e curioso, assustador e esimulante. O vulto se aproxima lentamente e nesse diminuir da distância, você sente o calor da mulher que ali está.

Ela olha para você e sorri. O sorriso mais cativante e surpreendente, pois não sabe se é de menina ou mulher. Mãos pequenas, brancas, tocam seu rosto, você torna a fechar os olhos. A maciez, a leveza e sentimento daquele toque provocam arrepios em sua pele. São pequenos pontinhos que surgem em seus braços, resultado de algo que não sabe explicar.

Ela senta a seu lado, as mãos vão pecorrendo cada pedaço de você. Não, não vai abrir os olhos, quer continuar ali, sendo transportado e sentindo o choque da descoberta do que cada toque proporciona. Assim, sem esperar, sãos os lábios que o tocam, enamorados e ansiosos, contidos e provocadores. Os lábios dela percorrem o seus, fazendo arder, queimar como o sol. Você pensa: “como pode ser tão bom assim?” E agora, aqueles lábios suaves, descem, escorregando a procura de mais, lugares escondidos onde poderá provar, experimentar os mais exóticos sabores .

Entregue a exploração, você abre os olhos. Ela para. Os olhos mergulham um no outro. Ela sorri e num movimento rápido o véu que a cobria não existe mais. Você pode vê-la completamente, como ela a você. Tudo que deseja agora é sentir o que cada um pode provocar no outro. Sentir o toque daquela pele branca, da cor das nuvens céu que vê de sua janela,  quer sentir o olhar escuro e sonhador procurando algo no seu, os beijos incessantes e molhados,  quer a mão instigando desejos que desconhecia. Você precisa.

Ela entende seu precisar, deita calmamente a seu lado. Como que tentando moldar o corpo dela ao seu. Os cabelos perfumados, com aquele perfume que tanto gosta, se oferecem para o carinho. Ela repousa em seu ombro, não cansada, apenas espera que você se acalme, compreenda o que acontece e participe dessa viagem.

Só então você a toca. Finalmente percebe o corpo dela, tão suave como algodão, macio como a seda, perfumado por milhares de flores, e fica ali, deitado, olhos fechados, mãos dançado em todas as direções. É como estar sob o sol da Toscana, perdido em devaneios, embriagado e totalmente a parte.

Em um movimento você puxa o corpo dela sobre o seu. Como a sensacão do peso daquele corpo lhe faz bem. Você a beija, com sofreguidão e gentileza, imerso no sons que ela faz, nas palavras que diz, nos olhos. Ah! Os olhos... parecem explodir de algum tipo de felicidade que você desconhecia. Existe força, poder incomensurável, ali, corpos unidos, olhos nos olhos, ela é a rainha a lhe possuir e ser possuída.

Repentinamente o sliêncio. Um silêncio doído. Os perfumes são diferentes agora. Chá? Cigarro? Por quê? Você retorna, senta na cama. Percebe então a realidade. O sonho se foi, não bem um sonho, mas uma lembrança. Você está só novamente.

Você levanta. Segue à cozinha. Precisa beber algo. Ao passar pela sala vê no espelho algo que não compreende: a marca de um beijo. Você sorri. 

11 comments:

  1. ALGUM DIA QUERO VER ESSE BEIJO NO MEU ESPELHO ... DESLUMBRANTE!

    ReplyDelete
  2. Uau!
    Viajei, agora...
    De repente me senti dentro da estória...

    ReplyDelete
  3. O sonho se foi, ficou a lembrança,sem o sorriso. Ficou a tristeza, sobrou a saudade, a espera foi longa,o tempo passou.
    Beijos
    Mary Anne

    ReplyDelete
  4. Admiravel e querida poetisa !

    Emoções inigualaveis nas suas palavras tecidas com maestria e delicadeza.
    Sentimentos de rara beleza !

    Beijos !

    ReplyDelete
  5. Querida... Viajei longe, longe... nossa! Mexeu mesmo com meus pensamentos e meu coração!

    Que conto maravilhoso! Você tem esse dom de nos envolver sempre... como é lindo o encontro entre dois amantes, mesmo que seja apenas sonho!

    Beijos, com muito carinho!
    Sou sua fã!

    ReplyDelete
  6. Um próprio sentir no encontro das metades, a perfeita viagem que nos transporta, faz sentir e faz pensar.

    Adorei

    ReplyDelete
  7. Lindo!!!
    Não tem como expressar o tanto que seus textos são especiais, e nos fazem bem!
    Você é uma Lady e transcreve o que tens no coração com maestria e a sensibilidade das deusas.
    Beijos
    Carla

    ReplyDelete
  8. Maravilhoso!!!!! Não quero acordar!!! Bjos

    ReplyDelete
  9. Lindo!!!Seus textos são maravilhosos. Nos faz viajar!!
    Fala das coisas do coração, das emoções de forma
    muito especiais.
    Parabéns!
    Rita Campos

    ReplyDelete
  10. Consigo ler calmamente seus contos e me faz muito bem. Sinto o Amôr em cada parágrafo. Beijo.

    Fontes

    ReplyDelete