Sunday, November 7, 2010

Impossibilidades

Existem possibilidades que nos são difícis de compreender. Possibilidades que alguns recebem, mas usam de forma incompleta ou particular. A voz que possuem, os meios de fazer diferença são obliterados por algo imediato, tão imediato que em um segundo perde o sentido.

Corre-se atrás de pontos e prêmios. Exposição da realidade criada e não necessariamente a que vivemos. Deixamos de lado as razões e enfeitamos o espaço com cores que não dizem nada, explicam nada, apenas nos distraem do objetivo e do resultado.

Estranhamente, sempre que alguém tenta achegar-se àqueles que controlam essas possibilidades o caminho fica escuro. Coberto de obstáculos imaginários, algumas vezes reais e impenetrávies, incompreensiveis. Nossos dons não foram criados para serem usados com o objetivo de tornar tudo mais Humano? As disposiçòes que temos não deveriam ser para divertir, mas também possibilitar alguma reflexão, mesmo  que tênue. Uma espécie de exercício básico que estimularia àqueles que desejam mais, a ponto de haver um movimento positivo.

Entretanto, não é assim. Interesses diversos. Relacionamentos especiais. Isso conta mais do que a qualidade e importância do que se tem a dizer. O que fazer? Simples, paga-se pelo privilegio de um espaço. Pela possibilidade de tentar contribuir. E paga-se caro,  compete com os inevitáveis simplistas e corriqueiros. O óbvio e superficial sempre cativa mais. O profundo, o que faz pensar, bem, para quê?

E aquele que persegue um tipo de objetivo mais complexo. Que deseja de alguma forma construir algo. Esse precisa cavar seus espaços, com trabalho árduo e algumas vezes humilhação explícita.

Mesmo aqueles que se dizem próximos, que seriam os alicerces, nem eles cumprem. Esgueiram-se em sua rotina. Escondem seu medo de tentar algo novo com a desculpa do tempo que não tem.

E você fica ali sozinho. Lutando desesperadamente para cumprir aquilo que lhe foi designado. Tentanto trazer algo bom, em um momento que nada parece ser positivo. Quer dividir o que aprendeu, deseja imensamente dizer que a vida vale a pena e que mesmo quando estamos em um poço escuro, com água subindo, memo assim, temos a chance de sobreviver.

Se deseja falar de preconceito, indiferença, mas acima de tudo de amor. Um amor superior, diferente daquele dos filmes e da música. Amor por todos, por um, amor essencial a vida. Não ha espaço. Não, prefere-se o vulgar, o imediatismo da notícia que sequer será verdade amanha. Prefere-se o folhetim farsesco. O livro que comenta a vida do outro, como se vivendo nela nos transformássemos.

Que caminho seguimos? Ignorância refinada? Onde o leitor é um espécie em extinção e a notícia só vale a pena se for superficial? 

Queria um espaço. Espaço simples, mas amplo. Aberto para falar, mostrar e provocar. Provocar sensações e emoções, fazer aquela parte significativa de quem somos, olhar para si mesma e ver como pode ser mais feliz, melhor.

Mas esse espaço nõa existe. Tenho me debatido entre grades, como que sufocada pela mediocridade que me cerca. Insatisfeita com a humanidade da qual faço parte, mas ao mesmo tempo com esperança e confiança nela. Não acredito no lutar pelo outro, mas ao lado dele. E sempre estarei ao lado de quem me quiser e precisar, mesmo que seja só um.

6 comments:

  1. Concordo plenamente com suas palavras, Heleny!

    As impossibilidades nos trazem um panorama mais amplo diante da vida... muitas vezes, é necessário mudar a direção do barco!

    Beijos, maravilhoso texto!

    ReplyDelete
  2. Retratou fielmente as incertezas, os receios da pessoa em crescer. Por mais que ela busque o "impossível" que é o mais complexo e perigoso, acaba se "contentando" com o trivial e corriqueiro, que ao menos é mais seguro!E,também, e é uma realidade, o ser humano é muito egoísta, poucas são as pessoas que nos socorrem quando precisamos. Este foi meu entendimento do seu texto.
    Estarei certo?
    Ele é tão profundo que chega a causar incertezas.
    Mas , sem dúvida é mais um texto que , na minha opinião, retrata a verdade de nós seres humanos!

    ReplyDelete
  3. ...Corre-se atrás de pontos e prêmios. Exposição da realidade criada e não necessariamente a que vivemos. Deixamos de lado as razões e enfeitamos o espaço com cores que não dizem nada, explicam nada, apenas nos distraem do objetivo e do resultado...

    Exatamente isso querida, disse tudo com a maestria de sempre, você tem o dom da escrita, mas não apenas o de escrever bem, tem o dom de transcrever o que sentimos e queremos falar, mas não sabemos como...
    Obrigada por nos presentear com os mais belos...
    Sua admiradora Carla Flores

    ReplyDelete
  4. Você descreveu minha vida de escritor ... Por isso que tudo que eu tenho na vida, de bens materiais, eu ganhei em minhas funções fora da literatura. Aqui, apenas deixam com que eu me divirta. Quando o brinquedo fica sério, outros brincam e eu sento.

    ReplyDelete
  5. This comment has been removed by the author.

    ReplyDelete
  6. Querida Helen. Qual diferencia entre os Anjos dos Homens ?. Na verdade não faz diferença. Homens são homens, Anjos são anjos.

    A diferença de um ideal, não esta no dinheiro aplicado, na facilidade encontrada, na prostituição da sua identidade. A diferença esta no que você acredita.

    Os grandes, os imortais e etc... sempre acreditaram em suas verdades, mesmo vivendo em um mundo de mentiras.

    A verdadeira vitória é aquela conquistada pelo sacrifício, pelas lágrimas e o desejo de vencer.

    Acreditar no amor verdadeiro é estar sózinho no monte Everest. Enquando o mundo se entregou ao amor doce de confeiteiro.

    Parabéns pelo texto

    MarquesK

    Só o Rock Alivia

    ReplyDelete