Friday, November 5, 2010

Galáxias



Bilhões de Galáxias. Bilhões e bilhões. Tantos astros perdidos nessa imensidão que é o Universo. E nós?  O que somos? Pequenos, como são os micróbios para nós? Indefesos ou perigosos? Como desequilibramos esse sistema a pulsar com nossa indiferença? Energia tão pequena usada na manutenção de uma vida que tem se perdido em minúsculas e insignificantes noções preconceituosas de si mesma.

Naquele braço, onde o caçador mantém seus cães sobre controle e Sirius brilha perscrutando a noite. É ali que estamos, escondidos de tudo, pequenos e petulantes donos de um mundo também insignificante se comparado ao todo.

Nos foi dado tanto. Terra, água, ar, diversidade, inteligência que tem servido para tudo, menos para aquilo que foi destinada. Como pode-se perder tempo com a cor, o tamanho, o poder, se a nossa volta, logo alí, em um instante do cosmos, estrelas nascem e morrem. Sóis são engolidos e misteriosas energias se movimentam.

Não seria muito mais fácil aceitar o que nos foi dado? A capacidade criativa de fazer um Universo aqui mesmo, nesta esquina escura? Como seria proveitoso se aceitássemos e decidíssemos aproveitar tudo ao invés de querer o do outro, ou mais do outro.


Existem tantos diferentes por ai. Diferentes estrelas, planetas, astros que ainda não conhecemos. Eles convivem. São gigantes orgulhosos, mas convivem. Nós aqui, poucos, fracos em comparação, nos perdemos, matamos, julgamos, tolhemos e separamos.

E vamos, pouco a pouco, queimando nossas pontes. Mergulhando em uma densa fumaça de ignorância, deixando de ter aquilo que não merecemos. Escolhendo o caminho estranho que leva a explosão, aniquilação, à falta da perfeição. O silêncio da inexistência.

Escolha da maioria. Que olha um futuro que já não existe. Seres perdidos na procura daquilo que está exatamente aqui, parado e esperando. Eu vejo. Sinto. Não consigo fazê-los entender. A dor é profunda. A esperança encurta sua vida, apesar de sorver as poucas energias disponíveis, e insiste em sobreviver.

Enquanto o Universo se põe sobre nós, apagando nossas possibilidades, aquelas que negamos. Nessa pequena e frágil particula de tempo, no espaço infinetisimal que novos pensamentos fluem em nossa mente, esquecemos o mais simples e deixamos que decisões instantâneas nos guiem.

Não compreendemos que o passo dado agora, representa a aproximação do abismo depois. Simplesmente caminhamos, cegos pelo que rejeitamos, indefesos pelo que criamos. Partimos tal qual cometas errantes, mudando de direção conforme a força que nos atrai. Quando nossa percepção voltará?

Não temos mais aquele tempo para crescer e aprender. Nesse caminho tortuoso que escolhemos, nas decisões insensatas que tomamos, ao negar-lhe o real valor. Vamos deixando de lado nossa principal vantagem, aquilo que realmente nos fez especiais. Cultivamos outros valores, escolhemos outros senhores e enterramos debaixo de milhões de sóis dourados, inválidos e sem valor, jogamos ao fogo o nosso amor.

11 comments:

  1. Gostei muito de seu texto e destaco essa frase: "Escolha da maioria. Que olha um futuro que já não existe. Seres perdidos na procura daquilo que está exatamente aqui parado e esperando".

    ReplyDelete
  2. Muito bom texto! E ele pode ter muitos significados! Principalmente, no momento atual que vivemos. E tbém no que ocorre com o ser humano nos dias de hoje, mais preocupados com s Ter do que com o Ser.

    ReplyDelete
  3. Gostei de entrar nas "galáxias". Bjs.

    ReplyDelete
  4. Eu digo e repito sempre: cada leitura dos textos desta moça, se aprende por vários anos de bancos escolares. Que magia infinita transmite a leitura deste texto. Quantos ensinamentos físicos e morais nos passa esta moça. Pq não foi ensinado as gerações anteriores, os preceitos que hoje nos passa esta menina? Nunca, nos paramos para perguntar-mo-nos: quem somos, de onde viemos, para onde vamos. Que mistérios esconde galáxias tão perto e tão distante de nós? Porque Sírus brilha tão intensamente, a ponto de atravessar fronteiras com sua luminosidade impar?
    O que esconde a bela e inigmática Lua Negra, há milhões de anos luz de nós? Ou nossa vizinha e grandiosa Nuvem de Magalhães, Ou Cão Maior? Cada uma tem mistérios cativantes e belos a serem explorados. E em nossa Via Láctea, pequenina se comparada as gigantes, mas grandisosa ao ponto de abrigar 100 bilhões de estrelas. Ah! como é contagiante este mistério, o que o homem não daria para desvendá-los, mas enquanto isso não é permitido, só nos resta "descobrir" as galáxias atravéz de textos maravilhosos desta pequena menina grande.
    Bjus....

    ReplyDelete
  5. Antes de qq coisa, o texto, muito bem escrito e apresentado, expressa algo real! Infelizmente, o ser humano, em geral, pouco se interessa pelo outro, quanto mais pelo Planeta, pela Criação ou tudo aquilo que a partir daí, derivou. O ser humano, tão grandioso para tantas coisas, inteligente, criativo, enfim, é o maior destruidor da VIDA! Em todos os aspectos, literalmente!

    ReplyDelete
  6. Nossa Heleny,
    Sensacional, é do fundo da sua alma!
    Me senti como parte dessa galáxia, porém no seu menor grau de visibilidade!
    Se a humanidade como um todo percebesse uma pequeníssima "particula" do que escreveu, nós seriamos imortais!
    Como não o somos, pelo menos em matéria, sonhemos e lutemos por dias melhores para os nossos descendentes!

    ReplyDelete
  7. Boa noite, permita-me...
    Chegar perto de você, para ver no teus olhos as estrelas que os meus cansados já não alcançam mais no infinito. E poder então ouvir você contar como lá é bonito.
    Belo o teu texto, dá uma vontade ouca de ser astronalta, pena que a juventude já foi embrulhada pelo tempo.
    Obrigado pela doação literária!
    Paz ao teu coração e sejas feliz!

    ReplyDelete
  8. Interesante sua viagem por ai, por alguma galáxia distante. Suas definições de tamanho são extremamente pertinentes. Que tamanho temos? não importa, somos pequenos dentro do potencial que temos.

    Parabéns!
    ameloSBC

    ReplyDelete
  9. Cara Heleny,
    Muito bom e reflexivo, como sempre... realmente não temos mais tido tempo para o essencial.

    Mas, ao pararmos para olhar a galáxia, é impossível não se embevecer com a imensidão e o mistério que ela propõe...

    Beijos! Parabéns!

    ReplyDelete
  10. Heleny....
    "Nos foi dado tanto e perdemos tempo com tão pouco"!!?
    Belíssimo texto... Parabéns!!
    Bjos

    ReplyDelete