Wednesday, September 22, 2010

Vida



Vida. Escondida atrás da dor. Vida perdida e desperdiçada pela incompreensão. Vida presa, sufocada na ignorância de um mundo que não era o seu. Vida dela. Menina, mulher valente que corria e se escondia de medo de ser modificada. Vida que parou um instante. Instante que durou tanto que parecia não ter fim. Vida.

E a vida recomeçou. Quebrou as correntes com energia. Transpassou os espaços. Voou para longe do cativeiro. Conheceu outros mundos. Aprendeu outros sentimentos. Voltou a sonhar com o futuro. Imaginar os passos e compassos. Vida.

A vida não espera. Dela o tempo não tem misericórdia. Agora que ela vivia. Entregava-se ao sabor do vento, ao calor de um momento de sol. Justo agora, quando tudo parecia perfeito. Vida.

Tudo começou em silêncio.  Corroendo. Tomando lugar. Primeiro a dor. Depois o tremor e finalmente ela teve que enfrentar. Busca desesperada por algo que não compreendia, como podia ser agora a hora de cobrar. Ela olhou no espelho e pensou no desespero que teria que enfrentar.

Ali parada. De frente para a espada. Ela decidiu tentar. Esquecer o que existia. Fingir que nada mudara e sorver todo o ar. Buscar sabedoria. Buscar alegria. Ela deciiu continuar a voar. Não importava o perigo. Nem sequer o destino. Apenas queria aproveitar. Vida.

Vida dadivosa e cobradora, pega tudo e revira. Tranforma esperança em dor. Dor em esperança. Vida que faz buscar respostas e depois aceitar silêncios. Vida estranha. Vida comum. Vida com todos e nenhum. Vida sua e vida minha. Vida que eu tenho hoje e amanhã, quem a terá?

Vida que anseia ser eterna. Viver aqui na Terra e cumprir seu papel. Vida que tem que entender que o desejo às vezes quer morrer simplesmente por doer. Vida que teve e que tem. Vida nova e velha. Vida longa agora curta. Vida que não quer calar.

Nessa vida ela percorre. Enfrenta a sorte e sempre decobre, que cada minuto tem seu lugar. Ela e a vida são um, mesmo que daqui a pouco a vida parta. Ainda assim valerá a pena tudo que pregou. Vida é para ser vivida. Sorvida com sofreguidão. Pois vida passa de repente e fica apenas a escuridão.

5 comments:

  1. É...vida que É e que passa, ontem já amanhã. Passa tudo tão rápido e a sensação as vezes é de quem vai se afogar.

    É vida...a gente nunca sabe quando parar.

    Obrigada por escrever e partilhar de si. Somos espelhos de vida em algum momento quando nos olhamos...Apreendemo-nos.

    Obrigada.

    ReplyDelete
  2. A vida não perdoa ninguém...viver dói! Machuca...mas como evitar?!?

    Amo ler suas palavras!!!

    ReplyDelete
  3. Hoje foi um poesia.
    Como quase sempre o que você escreve eu não leio, sou lida...
    "Vida dadivosa e cobradora, pega tudo e revira. Tranforma esperança em dor. Dor em esperança."

    Obrigada minha querida!
    Um beijo,
    Lana

    ReplyDelete
  4. Hoje eu já não me importo mais com o amanhã. Hoje eu quero minha vida plena de amizades e tenho a sorte de ter amigos como você.
    Hoje minha vida se resume aos meus amigos e minha familia. Será que não foi sempre assim?
    Mil bjs e sucesso.

    ReplyDelete
  5. Frames? Quadros?

    Cenas? Atos?

    Tem horas que a vida parece ser um filme dividido em quadros ou uma peça de teatro dividida em cenas.

    E a cada parte, que dá sequência à anterior, temos a sensação de estarmos em outra vida. Cada momento é tido como um recomeço, um início de algo que parece ter começado do nada.

    É como se não fossemos gratos o bastante para agradecer a vida passada e nem inteligentes o bastante pra saber que uma construção tem alicerce.

    Tem horas que em minha vida esqueço do passado, esqueço do presente e vivo exaltando o futuro, deixando de construí-lo no presente. Sofrendo o que viverei esqueço o que vivi.

    E então a cabeça se aquieta, entra em estado de hibernação. Parece não aprender nada. Os olhos cegam…

    Nesse momento percebo que é hora de voltar a viver. A viver o presente para construir um bom futuro.

    ReplyDelete