Sunday, September 19, 2010

Nossa quase história


Você não me quer mais. Aliás, nunca quis. Não me importo, sei que é sempre assim para alguém como você. A grande aventura, o desafio é resistir. Neste caso a mim.

E você resistiu. Provou um pouco. Depois fingiu que nada aconteceu. Brincou, instigou e desapareceu. Escondeu-se no de sempre. Nas palavras e no espaço. No tempo que nunca tem. No lugar no qual nunca está.

Fica ali, só observando. Me olhando passar. Mesmo nesses momentos não quer me encontrar. E eu fico sem entender qual é o meu lugar. No entanto sigo em frente sem me preocupar, pois para mim cada um tem direito de sentir e se entregar.

Você diz que está triste. Sozinho. Não faz nada para mudar. Gosta dessa solidão que lhe permite sonhar. Solidão que é companheira. Aventureira e criativa. Onde você se esconde para não sofrer e sofre ao tentar compreender por que não quer mudar.

Não serei mais sua. Nem mesmo para conversar. Melhor ficar longe, esquecer. Guardar os sons mais doces, as palavras mais carinhosas, do que questionar.  Vou deixar você seguir, não vou incomodar. Nunca esquecerei os poucos instantes. A história que quase escrevemos. Vou levar o sorriso. O jeito sem jeito de ver a vida, de existir.

E se um dia, você lembrar de mim. Saiba que esteja eu viajando em outros lugares. Percorrendo outros caminhos. Você, suas palavras e seu toque ainda estarão em mim, pois querendo ou não eu estou em você e você está em mim.


3 comments:

  1. Mais uma vez a perfeição nas palavras.

    ReplyDelete
  2. Boa tarde, permita-me...

    Deve ser tão triste descrever uma despedida, o autor(a) termina num buraco junto com aquele que mais sofre com a separação.
    Parabéns é um belo texto, me absorveu, fiquei triste.
    Paz ao teu coração e seja feliz!

    ReplyDelete
  3. A paixão é para ser vivida, é para ser sentida. se não há decisão , não existe paixão.

    Parabéns pelo texto.

    MarquesK

    Só o Rock Alivia

    ReplyDelete