Tuesday, September 7, 2010

Destruidos pela infelicidade

Existem pessoas que nascem e parecem ser envoltas em veneno. Mesmo quando criança são aquelas que ficam isoladas, criticando os colegas. Raramente tem um sorriso a oferecer ou palavra gentil.

Elas crescem “feias”, uma feiura que representa apenas o espelho da alma turva e pouco comprometida com outro ser humano. Ninguém compreende porque as pessoas não se aproximam delas, a não ser por algum tipo de interesse. Mesmo familiares, toleram sua presença, mais por interesse do que por amor. 


Amor é  palavra que dificilmente é aplicada a essas pessoas. Elas despertam inveja, aquela negativa que faz com que os que a invejam desejem tudo de ruim para elas. Despertam rancor, pois de sua boca só saem palavras que nada acrescentam e muitas vezes magoam.

São pessoas que nasceram sem alma. Vazias por dentro. Mergulhadas em um mundo próprio. Algo quase torpe e disforme.

Conheço uma familia assim. Conheço bem de perto.

Ela sempre sonhou em ser real. Não real de realidade, mas de realeza. Olhava-se no espelho e via outra pessoa. Escolheu como companheiro alguém que pudesse lhe dar posição, pois dinheiro ela tinha. Foi um encontro de duas personalidades vicíadas e superficiais. Ali, nenhum poderia auxiliar o outro a creser. Eram pessoas desesperadas pela aprovação dos outros, ao mesmo tempo que se julgavam superior aos outros.

Juntos criaram um mito. O relacionamento perfeito. Com tudo absolutamnte perfeito ao redor. Filhos. Casa. Viagens.

Gabavam-se de cada centavo gasto com futilidades. Usavam todo o poder financeiro que tinham para unirem a sua volta interesseiros e interessados. Os interesseiros sugavam, os interessados vendiam a eles.

Comprar. Comprar sempre era a forma de se sentirem poderosos. Assim, encheram a casa de quinquilharias. Sem valor sentimental, sem valor financeiro ou significado. Apenas era a  forma de mostrar aos outros o quanto tinham.

Esse poder assumiu o controle depois de algum tempo. Ele acabou por colocar aqueles que deveriam ser protegidos, crianças indefesas, em posição de sofrimento. Não. Nada faltava a elas. Apenas o esencial. Amor.

Os três que resultaram da união. Cresceram vazios. Incrívelmente imaturos. Completamente perdidos. Quem observava de fora tinha pena. Quem se envolvia ficava confuso. Como um castelo brilhante podia esconder tanta sujeira e indiferença.

A vida é curiosa. Ela permite que as aberrações aconteçam, mas vez por outra coloca obstáculos a essa mesma aberração. Assim, um dia veio alguém mexer no interior daquela resplandecente farsa.

Mesmo percebendo o que acontecia. Ela acabou tragada pelos conflitos. Pelas Indiferenças, ofensas e preconceitos que ali existiam. Pela total falta de empatia. A incompreensível ausência de educação com que foi tratada, pouco a pouco a transformou. Por fim, aquele castelo imundo, negro, preconceituoso e infeliz a sugou. Envolveu-a tão fortemente que ela chegou a decidir que a vida não valheria a pena.

Entretanto ela era forte. Quebrou as correntes. Fugiu dali. Se reconstruiu.

Assistiu de longe  a destruição gradual daquelas paredes ficticia. Finalmente o castelo seria exposto. De alguma maneira ela contribuira para isso ao escrever. Contar a todos um pouco daquela ilusão. Das mentiras que vivera.

O mais estranho. É que mesmo com total consciência de que nada poderia ser feito. Ela sentia pena daquelas pessoas. Que nasceram, cresceram e até morreram na ingorância de sua infelicidade. Perdidas em um mudo ficticio de status, posição. Ilusão de serem o que não eram.

5 comments:

  1. Pessoas que passaram pela vida e não viveram ... Parabéns, de novo, pelas colocações perfeitas.

    ReplyDelete
  2. Bom dia,

    è um bonito texto que revela a realidade de muitas pessoas, hoje em dia.
    Prabens pela sensibilidade.

    abraço

    ReplyDelete
  3. Pessoas assim existem. Diferem num ou noutro detalhe, mas decididamente existem. Beijos

    ReplyDelete
  4. Bom dia, permita-me!
    A ausência do amor faz a pessoa humana materialista e cruel.
    Belo texto, parabéns!
    Paz ao teu coração e seja feliz.

    ReplyDelete
  5. Como sempre, de uma sensibilidade fantástica! Triste é saber que realmente há quem passe pela vida, mas não consiga viver de verdade... e passe por situações como essa...

    ReplyDelete